Revolução Francesa - Exercício 8ºano com gabarito - EF08HI04

 

“O monopólio do comércio da colônia, portanto, com todos os outros expedientes mesquinhos e malignos do sistema mercantilista, deprime a indústria de todos os outros países, mas principalmente a das colônias, sem que aumente, em nada – pelo contrário, diminui – a indústria do país em cujo benefício é adotado.”

SMITH, Adam. A riqueza das nações: investigação sobre sua natureza e suas causas [1776]. São Paulo: Abril Cultural, 1983. p. 124.

“O XIX foi o século de efervescência nacionalista na Europa, marcado pela implantação das instituições da Revolução Francesa e pelo desenvolvimento das forças produtivas via Revolução Industrial inglesa. A ruptura com o processo colonial no Novo Mundo se deriva dessas emanações, dessas revoluções europeias. Surge uma coleção de nações com variados processos genéticos e padrões de construção diferenciados.”

LESSA, Carlos. Nação e nacionalismo a partir da experiência brasileira.
Estudos Avançados, v. 22, n. 62, 2008.

Revolução Industrial - Texto com exercício e gabarito 9ºano


“As Índias Orientais haviam sido, como vimos, o exportador tradicional de tecidos de algodão, encorajada pela Companhia das Índias Orientais. Mas como o interesse industrial estabelecido prevaleceu na Grã-Bretanha, os interesses mercantis da Índia Oriental (para não mencionar os dos próprios indianos) foram empurrados para trás. A Índia foi sistematicamente desindustrializada e passou de exportador a mercado para os produtos de algodão da região de Lancashire: em 1820, o subcontinente adquiriu somente 11 milhões de jardas; mas por volta de 1840 já adquiria 145 milhões. Isto não era meramente uma extensão gratificante dos mercados de Lancashire. Era um grande marco na história mundial. Pois desde a aurora dos tempos a Europa sempre importara mais do Oriente do que exportara para lá; porque havia pouca coisa que o Oriente necessitava do Ocidente em troca das especiarias, sedas, chitas, joias etc. enviadas.”

HOBSBAWM, Eric. A era das revoluções: 1789-1848. 4. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1982. p. 51-52.

O texto trata de uma grande mudança na circulação e no fluxo de mercadorias entre o Oriente e o Ocidente. Como essa mudança impactou as sociedades, sobretudo no que diz respeito à condição de vida dos trabalhadores, tanto na Índia quanto na Inglaterra?

É esperado que os estudantes compreendam os impactos da Revolução Industrial no cotidiano dos trabalhadores. Enquanto na Inglaterra os operários lidavam com uma nova relação com trabalho, organizados pelo tempo do relógio (e não mais pelo “tempo da natureza”), ficando expostos a condições de trabalho precárias, com longas jornadas de trabalho, propensão a acidentes e salários muito baixos, os indianos viam sua realidade se alterando no sentido oposto, num cenário, porém, não menos complexo. Entre os trabalhadores indianos, passou a imperar o desemprego, uma vez que a maioria das tecelagens tradicionais, que faziam um trabalho mais artesanal e doméstico, faliu, incapaz de concorrer com os produtos industrializados ingleses.


Revolução Industrial - Exercício com gabarito 8ºano - EF08HI03

 


A respeito da Revolução Industrial, Eric Hobsbawm diz o seguinte:
“Sob qualquer aspecto, este foi provavelmente o mais importante acontecimento na história do mundo, pelo menos desde a invenção da agricultura e das cidades. E foi iniciado pela Grã-Bretanha. É evidente que isto não foi acidental.”

HOBSBAWM, Eric. A era das revoluções: 1789-1848. 4. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1982. p. 45.

a) Por que o autor afirma que a Revolução Industrial foi um acontecimento tão importante?

b) O que justifica a afirmação “é evidente que isto não foi acidental”, considerando que esse processo se iniciou na Grã-Bretanha?

EF08HI03: Analisar os impactos da Revolução Industrial na produção e circulação de povos, produtos e culturas.

EF08HI02 - Exercícios de História 8ºano com gabarito

Questão 1 
“Em 1688, Guilherme de Orange aportou no país à frente de um exército e, após a deposição de Jaime II, recebeu a coroa do Parlamento. A Revolução Gloriosa assinalou o triunfo do liberalismo político sobre o absolutismo e, com a aprovação do Bill of Rights em 1689, assegurou a supremacia legal do Parlamento sobre a realeza e instituiu na Inglaterra uma monarquia limitada.”

MELLO, Leonel Itaussu Almeida. John Locke e o individualismo liberal. In: WEFFORT, Francisco (Org.). Os clássicos da política. 12. ed. São Paulo: Ática, 1999. p. 82.

Por que o texto afirma que a “Revolução Gloriosa assinalou o triunfo do liberalismo”?

Questão 2
Para muitos estudiosos, a Revolução Inglesa incentivou o desenvolvimento do liberalismo na Inglaterra. Considerando esse processo histórico, identifique e explique duas mudanças advindas da Revolução Inglesa que contribuíram para a Revolução Industrial na Inglaterra, no começo do século XVIII.

Atividade de Arte 7ºano - BNCC - Cartão postal fantástico

Unidade temática
Artes visuais 

Objetos de conhecimento
Contextos e práticas, Materialidades, Elementos da linguagem, Processos de criação 

Habilidades
(EF69AR02)
Pesquisar e analisar diferentes estilos visuais, contextualizando-os no tempo e no espaço.

(EF69AR04) Analisar os elementos constitutivos das artes visuais (ponto, linha, forma, direção, cor, tom, escala, dimensão, espaço, movimento etc.) na apreciação de diferentes produções artísticas. 

(EF69AR06) Desenvolver processos de criação em artes visuais, com base em temas ou interesses artísticos, de modo individual, coletivo e colaborativo, fazendo uso de materiais, instrumentos e recursos convencionais, alternativos e digitais.

(EF69AR07) Dialogar com princípios conceituais, proposições temáticas, repertórios imagéticos e processos de criação nas suas produções visuais.