Atividades de Língua Portuguesa 5º ano de acordo com a BNCC e gabarito

Habilidade de cada questão

1. (EF05LP38) Identificar, em texto narrativo ficcional, a estrutura da narração: ambientação da história, apresentação de personagens e do estado inicial da ação; surgimento de conflito ou obstáculo a ser superado; ponto máximo de tensão do conflito; desenlace ou desfecho; discurso indireto e discurso direto, determinando o efeito de sentido de verbos de enunciação e explicando o uso de variedades linguísticas no discurso direto, quando for o caso.

2. (EF05LP10) Inferir informações e relações que não aparecem de modo explícito no texto (recuperação de conhecimentos prévios, relações causa-consequência etc.).

3. (EF05LP38) Identificar, em texto narrativo ficcional, a estrutura da narração: ambientação da história, apresentação de personagens e do estado inicial da ação; surgimento de conflito ou obstáculo a ser superado; ponto máximo de tensão do conflito; desenlace ou desfecho; discurso indireto e discurso direto, determinando o efeito de sentido de verbos de enunciação e explicando o uso de variedades linguísticas no discurso direto, quando for o caso.

4. (EF05LP26) Utilizar, ao produzir o texto, recursos de coesão pronominal (pronomes anafóricos) e articuladores de relações de sentido (tempo, causa, oposição, conclusão, comparação), com nível adequado de informatividade. 

5. (EF05LP14) Interpretar verbetes de dicionário, identificando a estrutura, as informações gramaticais (significado de abreviaturas) e as informações semânticas.

6. (EF05LP13) Identificar o sentido de vocábulo ou expressão utilizado, em segmento de texto, selecionando aquele que pode substituí-lo por sinonímia no contexto em que se insere.

7. (EF05LP08) Localizar e organizar informações explícitas, na sequência em que aparecem no texto.

8. (EF05LP41) Inferir, em textos literários, o efeito de sentido decorrente do uso de palavras, expressões, pontuação expressiva.

9. (EF05LP35) Flexionar, adequadamente, na escrita e na oralidade, os verbos em concordância com pronomes pessoais sujeitos da frase.

10. (EF05LP34) Identificar a expressão de presente, passado e futuro em tempos verbais do modo indicativo.

11. (EF05LP28) Acentuar corretamente palavras oxítonas, paroxítonas e proparoxítonas.

12. (EF05LP27) Grafar palavras utilizando regras de correspondência fonema-grafema regulares e contextuais e palavras de uso frequente com correspondências irregulares.

13. (EF05LP37) Identificar, em textos, o uso de conjunções e a relação que estabelecem entre partes do texto: adição, oposição, tempo, causa, condição, finalidade.

14. (EF05LP16) Estabelecer relações entre partes do texto, identificando substituições lexicais (de substantivos por sinônimos) ou pronominais (uso de pronomes anafóricos – pessoais, possessivos, demonstrativos), que contribuem para a continuidade do texto.

15. (EF05LP16) Estabelecer relações entre partes do texto, identificando substituições lexicais (de substantivos por sinônimos) ou pronominais (uso de pronomes anafóricos – pessoais, possessivos, demonstrativos), que contribuem para a continuidade do texto.

Leia o texto para responder às questões de 1 à 6.

A Bailarina de Degas

A casa era grande e tinha um jardim. Para lá do jardim ficava o bosque de árvores imensas que se estendiam até não poderem ser mais vistas, por entre caminhos traçados sob as folhas do Outono.
Telma adorava passear-se pelo bosque. Corria pelos caminhos, inventava outros atalhos e tentava passos de dança, braços ondulando ao sabor de melodias imaginadas.
Ser bailarina era um sonho só seu. Desde que descobrira, na biblioteca, um livro com reproduções de quadros célebres, e, nas suas páginas, umas pinturas de bailarinas, a ideia que até então lhe passara vagamente em seus pensamentos tornou-se numa vontade constante, doentia.
Por isso se dividia Telma entre os passeios pelo bosque e as visitas à biblioteca.
As grandes prateleiras repletas de livros tinham-na assustado, no início. Alguns deles eram antigos e cheiravam a pó. Outros eram mais novos e as suas capas despertavam a curiosidade da menina, que, por não saber ainda ler bem, se entretinha a olhar as figuras e a tentar descobrir o que estava lá dentro.
Foi numa tarde chuvosa de novembro que Telma descobriu o livro das bailarinas. Na grande capa colorida, um nome que ela soletrou: D-e-g-a-s. Telma soube, anos mais tarde, que tinha sido um grande pintor francês, do séc. XIX e que o seu nome se pronunciava como se a letra E tivesse um acento circunflexo. Na altura, não queria a menina saber daquele nome, que nada lhe dizia. Só queria ver as figuras e mais figuras e a todas despia com os olhos ávidos de cor, de movimento e de sinfonias cada vez mais triunfais.
Esperava a hora da sesta. Fingia que dormia. E em passos de algodão escondia-se na biblioteca, entre a porta envidraçada que dava para o bosque e o grande reposteiro de veludo carmesim.
De todos os quadros, o que mais a fascinava era um que tinha o título de Bailarina com ramo de flores. Telma entrava então naquele cenário e juntava-se ao corpo de baile. Vestia o fato em tons de amarelo esbatido, saia de tule querendo voar, sapatinhos de ponta cor-de-rosa e um ramo de flores na mão, o aroma do campo no ar quieto daquela sala.
E Telma bailava, bailava, esvoaçava pelo meio das outras bailarinas, tentando imitar os passos que elas davam, erguendo-se na ponta dos pés até mais não poder, até a dor ser mais forte que a vontade. No fim do espetáculo, agradecia ao público que só ela via e que só a ela aplaudia.
Depois, quando se apanhava de novo no bosque, erguia-se quanto podia nas pontas dos seus sapatos de cetim e largava o sonho que escondia no peito. E imaginava-se pintura em movimento num quadro de Degas.
Ainda hoje ninguém entende, naquela casa, por que razão fugia Telma tanto para o bosque. Também ninguém nunca entendeu o que fazia, no quarto de Telma, um grande ramo de flores campestres, eternamente frescas, pousado sobre a sua mesa de cabeceira. Nem um par de sapatos de bailarina que pendia, em laços de cetim esbatidos pelo tempo, da cabeceira de sua cama.

 LOPES, Teresa. Histórias que acabam aqui. Domínio público.

1. O conflito que gera a narrativa é:

a) (   ) íntimo, interno à personagem: Telma sonha em ser bailarina.

b) (   ) exterior, externo à personagem: ela vai até o bosque e dança.

c) (   ) exterior, externo à personagem: o ramalhete de flores aparece na cama.

d) (   ) íntimo, interno à personagem: Telma fugia para o bosque. 

2. Releia.

“Desde que descobrira, na biblioteca, um livro com reproduções de quadros célebres, e, nas suas páginas, umas pinturas de bailarinas, a ideia que até então lhe passara vagamente em seus pensamentos tornou-se numa vontade constante, doentia”.

a) Que fato causou a obsessão de Telma em ser bailarina?

______________________________________________________________________________

______________________________________________________________________________

b) Pinte de azul o trecho que expresse a consequência desse fato.

3. No parágrafo 7, lê-se: “Telma entrava então naquele cenário e juntava-se ao corpo de baile.”. A qual cenário o narrador se refere?

______________________________________________________________________________

4. A repetição de palavras pode ser evitada tanto pela omissão quanto pela substituição do termo por outro (por um pronome ou por um sinônimo). Reescreva o trecho a seguir usando esses dois mecanismos textuais.

“A casa era grande e tinha um jardim. Lá longe do jardim ficava o bosque de árvores imensas. Telma adorava passear-se pelo bosque.”

______________________________________________________________________________

______________________________________________________________________________

______________________________________________________________________________

______________________________________________________________________________

5. Leia.

FATO

1. Peça de vestir, roupa que compõe um traje; indumentária, vestimenta.

2. Vísceras de animais, miúdos.

3. Bando de malfeitores; cambada, gangue, horda.

a) Qual dos sentidos do verbete melhor define o termo em destaque no trecho a seguir?

“Vestia o fato em tons de amarelo esbatido, saia de tule querendo voar, sapatinhos de ponta cor-de--rosa e um ramo de flores na mão, o aroma do campo no ar quieto daquela sala.”

(     ) Sentido 1

(     ) Sentido 2

(     ) Sentido 3

b) Reescreva o trecho sublinhado substituindo o termo destacado por um sinônimo.

______________________________________________________________________________

______________________________________________________________________________

______________________________________________________________________________

6. Considerando o contexto, assinale o sentido mais adequado para a expressão em destaque no fragmento.

“Esperava a hora da sesta. Fingia que dormia. E em passos de algodão escondia-se na biblioteca, entre a porta envidraçada que dava para o bosque e o grande reposteiro de veludo carmesim.”

a) (   ) em passos macios, sem dor

b) (   ) pé ante pé, sem fazer ruído

c) (   ) de modo sonolento, irreal

d) (   ) vagarosamente, lentamente 

7. Complete o quadro, recuperando informações sobre Degas.

Leia o texto para responder às questões de 8 a 13.

Dom Quixote

1 Paulo tinha seis anos incompletos;
tinha só quatro o louro e gentil Mário.
Foram à biblioteca, sorrateiros,
e ficaram instantes, mudos, quietos,
5 a espreitar se alguém vinha;
então, ligeiros como o vento,
correram para o armário,
que encerrava os volumes cobiçados:
eram dois grandes livros encarnados,
10 cheios de formosíssimas gravuras,
mas pesados, meu Deus! [...]
Os pequeninos porfiavam, cansados,
vermelhitos, por tirá-los da estante.
Que torturas!
15 Estavam tão apertados, os malditos!
Enfim, venceram não sem ter lutado...
Paulo entalou um dedo, o irmãozinho,
ao desprender os livros, coitadinho!
cambaleou, e foi cair... sentado.
20 Não choraram: beijaram-se contentes
e Paulo disse a Mário: Que bellote!
vamos ver à vontade o D. Quixote [...]

VIEIRA, Adelina Lopes.
Domínio público. (Fragmento.) 

8. Leia.

Qual o sentido expresso pelas expressões destacadas?

a) (   ) indagação, dúvida.

b) (   ) emoção, sentimento.

c) (   ) medo, raiva.

d) (   ) curiosidade, surpresa.

9. Releia.

“Foram à biblioteca, sorrateiros,
e ficaram, por instantes, mudos, quietos.”

a) Que pronome pessoal poderia ser usado antes dos verbos?

______________________________________________________________________________

______________________________________________________________________________

b) Reescreva os versos passando os verbos para a 1a pessoa do singular.

______________________________________________________________________________

______________________________________________________________________________

10. Em que tempo verbal foram conjugados os verbos destacados no trecho a seguir?

Estavam tão apertados, os malditos!
Enfim, venceram não sem ter lutado...
Paulo entalou um dedo, o irmãozinho,
ao desprender os livros, coitadinho!
cambaleou, e foi cair... sentado.”

11. Que regra gramatical justifica a acentuação do adjetivo em destaque no trecho a seguir?

“eram dois grandes livros encarnados,
cheios de formosíssimas gravuras,
mas pesados, meu Deus! [...]”

______________________________________________________________________________

______________________________________________________________________________

______________________________________________________________________________

______________________________________________________________________________

12. Leia a continuação do poema “Dom Quixote”, completando as lacunas com as letras S, C ou Ç.

Mário, tu não te mexas, fica atento:
eu vou mostrar-te estampas bem pintadas
com uma condi___ão: cada figura
há de trazer ao nosso pensamento
uma dessas partidas engra____adas,
que eu sei fazer. ____erve-te assim?
— Oh! que homenzinho magro! Que esquisito!
— É D. Quixote.
— O barrigudo é dona Sancha, que a mamãe me disse.
— Dona Sancha é mulher. Oh! que toli____e!
O nome que ele tem, bobo, é Pan_____udo.

VIEIRA, Adelina Lopes.
Domínio público. (Fragmento.)

13. Relacione o sentido das conjunções destacadas às relações expressas na cruzadinha.

(     ) Mário fez silêncio quando Paulo pediu.

(     ) Paulo explicou e Mário ficou quietinho.

(     ) Paulo pediu, mas Mario não se aquietou.

(     ) Mário fez silêncio para que Paulo falasse. 

Para responder às questões 14 e 15, leia o livro A melhor robótica do mundo, de Matheus Ventura Castro. São Paulo: Ilustre Autor, 2016, a seguir reproduzido.





14. Que pronome pessoal aparece na frase “Ele cresceu e fez um robô!”?

______________________________________________________________________________

15. Na frase “O Robô ajudava ele em tudo!”:

a) A quem se refere o pronome ele?

______________________________________________________________________________

b) Reescreva a frase usando o pronome pessoal corretamente.

______________________________________________________________________________

______________________________________________________________________________

______________________________________________________________________________

______________________________________________________________________________


GABARITO COMENTADO

1. Alternativa A.
É importante que os alunos identifiquem os elementos composicionais dessa narrativa, a saber, nesse caso, um conflito íntimo, subjetivo, interno à personagem: Não há nenhuma ação exterior que mobiliza os acontecimentos, com exceção do fato de descobrir, na biblioteca, quadros célebres que lhe instigaram a obsessão pela dança. Para o aluno que tiver dificuldade em encontrar esses elementos, peça-lhe que releia os dois primeiros parágrafos do texto, a seguir, auxilie-o a fazer um esquema da história, compreendendo as seguintes informações: QUEM conta a história? Com QUEM ela se passa? ONDE Telma morava? O QUE ela descobriu na biblioteca? O QUE essa descoberta desencadeou? Auxilie-os, também, a excluir as possibilidades, dentre os itens destacados, até chegar à resposta correta.

2. 
a) Descobrir, na biblioteca, a reprodução de quadros célebres causou a obsessão de Telma em ser bailarina.
b) O trecho é: “tornou-se numa vontade constante, doentia”.
Espera-se que o aluno estabeleça relações entre causa (descoberta dos quadros) e consequência (sonho em ser bailarina). Aos alunos que assinalarem equivocadamente tais relações, peça que releiam o trecho e escrevam, em uma lista, as ações principais. A seguir, peça que, em duplas, estabeleçam uma relação de causa e consequência entre os fatos.

3. O cenário era o quadro Bailarina com ramo de flores.
Para responder a essa questão, o aluno deve ficar atento ao encadeamento coesivo presente no parágrafo, especialmente com o uso do pronome demonstrativo naquele, que indica uma retomada ao termo quadro empregado na frase anterior. Caso o aluno erre o exercício, não se apropriou de tal mecanismo. Com ele, é necessário fazer outros exercícios com retomadas vocabulares especialmente feitas por pronomes demonstrativos.

4. Sugestão: “A casa era grande e tinha um jardim. Lá longe, ficava o bosque de árvores imensas. Telma gostava de passear por ele.”
Espera-se que o aluno varie os recursos coesivos a fim de evitar a repetição das palavras, substituindo-as por um pronome pessoal ou realizando elipse (omissão da palavra). Com o aluno que não conseguir variar os recursos coesivos, escreva no quadro de giz frases simples (como: 1. O aluno chegou. 2. O aluno estudou. 3. O aluno voltou para casa.) e peça-lhe que, na frase 2, substitua o substantivo por um pronome e que, na frase 3, omita o substantivo. A seguir, peça que volte à questão e repita o procedimento. Ofereça à turma outros exercícios semelhantes ou então selecione trechos de textos produzidos pelos próprios alunos em que haja repetições, pedindo sugestões para evitá-las. 
5. 
a) Sentido 1.
b) Vestia o traje (ou a indumentária).
Para responder a essa questão, o aluno deve estabelecer relações entre os sentidos do verbete propostos e relacionar ao contexto. No texto, há a referência ao vestuário do balé, o que exclui totalmente as outras possibilidades. Haverá dúvida, certamente, no sentido 2: vísceras de animais parece algo bastante distanciado da realidade do aluno; mas será interessante ao leitor competente fazer a exclusão desse item depreendendo o contexto em que ele pode ser inserido. Sugere-se que o professor peça ao aluno que preste muita atenção na leitura dos verbetes, antes que responda. Quanto ao sinônimo para a palavra, ele só será encontrado se o aluno chegar à resposta correta no item anterior, apesar de que as outras possibilidades logo serão percebidas como inadequadas, o que até pode ser de grande auxílio para que o aluno reveja a resposta que deu ao item anterior. É conveniente observar, porém, se o aluno realiza a concordância nominal adequada caso opte pelo substantivo feminino indumentária. Caso o aluno encontre dificuldades na leitura do verbete, leve para a sala de aula dicionários impressos e brinque com eles de procurar palavras “difíceis” (desconhecidas) e usar para elas um sinônimo.

6. Alternativa B.
Espera-se que o aluno estabeleça relações temporais e causais entre as informações de fingir que dormia e esconder-se na biblioteca – que sugere algo sigiloso, secreto – com a expressão em destaque. Para o aluno que tiver dificuldade em interpretar a metáfora proposta, peça que releia o trecho e pergunte-lhe: “A menina queria ser descoberta?”, “Como fazer para seus passos serem silenciosos?”. É possível, também, pedir que dramatizem a situação, representando como Telma saía da biblioteca. Pergunte-lhes também sobre o algodão, transferindo a metáfora para outros contextos: “O que seriam passos de ferro? E de pedra? E de vidro?”.



8. Alternativa B.
Espera-se que o aluno perceba o uso expressivo da pontuação, especialmente em expressões interjetivas, como nos exemplos extraídos do texto. Com o aluno que apresentar dificuldade, realize uma leitura expressiva do texto, destacando tais expressões e peça ao aluno que repita essa leitura dramatizada. Depois, peça que elimine, uma a uma, as alternativas incorretas, explicando o motivo de elas não serem possíveis como resposta, até chegar à resposta correta.
9.
a) O pronome eles.
b) Fui à biblioteca, sorrateiro, / e fiquei, por instantes, mudo, quieto.
O exercício requer compreensão dos mecanismos que regem a concordância. Assim, alterando a pessoa gramatical que exerce a função de sujeito, é preciso alterar o número dos verbos, bem como dos adjetivos que são ligados ao sujeito por meio de um verbo de ligação. Com o aluno que tiver dificuldade e/ou empregar parcialmente a concordância, peça-lhe que leia em voz alta as frases percebendo as falhas e corrigindo-as. Forneça, também, outros exercícios de concordância, a fim de que os alunos assimilem e reforcem a aprendizagem.

10. Ambos os verbos estão conjugados no passado.
Auxilie o aluno que apresentar dificuldade, tanto ao empregar as pessoas verbais quanto os tempos, a preencher as lacunas dos exercícios e ofereça a ele outros exercícios sobre emprego de tempos verbais para haver assimilação e reforço da aprendizagem.

11. Toda palavra proparoxítona é acentuada.
Ao aluno que tiver dificuldade, peça que retome as regras de acentuação gráfica, retomando, também, os exercícios feitos em aula para que os assimile e reforce a aprendizagem.

12. Condição, engraçadas, serve, tolice, Pançudo.
Caso haja grafia incorreta, é preciso reforçar a aprendizagem com listas de exercícios extras, ditados, recortes de palavras em jornais e mesmo jogos ortográficos, retomando as regras e favorecendo a memorização da escrita de palavras.

13. São: 4, 3, 1, 2.
Para o aluno com dificuldade, a melhor orientação é que ele elimine uma a uma as possibilidades incorretas explicando ao professor por que não são possíveis, até chegar à resposta. Persistindo a dificuldade, forneça-lhe outros exercícios de reforço para que distinga o uso semântico dessas conjunções. 

14. Pronome pessoal na 3a pessoa do singular.

15. a) um menino que não era bom em robótica. / b) O Robô o ajudava em tudo!
Para as questões 14 e 15, peça aos alunos que retomem o texto, caso tenham dificuldade em respondê-las.

Nenhum comentário:

Postar um comentário