Inserção dos negros pós-abolição - Exercício 9ºano - EF09HI03

Leia o texto:

O estado lamentável em que jazem os homens de cor no Brasil, oprimidos de um lado pelas ideias escravocratas que de todo não desaparecem do nosso meio social e de outro pela nefasta ignorância em que vegetam este elemento da raça brasileira, inconsciente da sua humilde situação moral, impõe uma reação para que possa em dias futuros ter a consciência lúcida, de que para eles, os seus direitos são compuscados, a lei asfixiada e estrangulada e a justiça vilipendiada. [...] A igualdade e a fraternização dos povos preconizada pelos princípios de 89 na França e que a república implantou como símbolo da nossa democracia, com relação aos negros é uma ficção é uma mentira que até hoje não foram postas em prática. [...] As leis de evoluções que abrangem todas as coisas e todos os seres para os nossos homens de cor, teve o efeito negativo. Desde a áurea Lei da Princesa Isabel, ele não tem sido notado em nenhuma das manifestações da vida. 

O Alfinete, publicado em 22 set. 1918.
Disponível em:
<http://biton.uspnet.usp.br/imprensanegra/index.php/o-alfinete/o-alfinete-22091918-2/>.

Compuscado: corrompido.
Vilipendiada: desprezada, ofendida.

O texto foi publicado em um jornal da imprensa negra paulista chamado O Alfinete. A interpretação do texto sobre a República no Brasil em relação aos chamados “homens de cor” é de que essa

a) foi na contramão do ideário da Revolução Francesa, promovendo desigualdade entrebrancos e negros.

b) permitiu a ampla participação da população negra na política, uma vez que o direito ao voto era para todos os cidadãos.

c) melhorou a situação após a abolição, já que a princesa Isabel não se preocupou com a inserção do negro na sociedade.

d) mostrou como o Brasil supera gradualmente as ideias escravocratas, uma vez que agora a discriminação é sobre escolarização, e não sobre raça.

e) criou condições para a ocupação da população negra nos espaços públicos e políticos antes vetados a essa comunidade no país.

Objeto de conhecimento:
A questão da inserção dos negros no período republicano do pós-abolição Os movimentos sociais e a imprensa negra; a cultura afro-brasileira como elemento de resistência e superação das discriminações 

Habilidade:
(EF09HI03)
Identificar os mecanismos de inserção dos negros na sociedade brasileira pósabolição e avaliar os seus resultados.

Justificativas

a)
Segundo o autor, o regime republicano brasileiro vai na contramão do ideário da Revolução Francesa de 89 porque não promove a igualdade e fraternidade. A população negra é marginalizada, tem suas condições de vida e escolarização precárias, não contando com o apoio das lideranças brasileiras.  (CORRETA)

b) e e)
O autor cita a significativa taxa de analfabetismo dos negros no começo do século XX (dois terços da população). Lembramos que os analfabetos eram proibidos de votar segundo a Constituição de 1891. Portanto, não houve grande participação dos negros na política com o advento da República.

c)
O texto não critica a falta de políticas de inserção dos negros na sociedade acompanhadas da abolição. O autor afirma que não houve progresso nenhum para a vida da população negra após a abolição, isso incluiria uma crítica à República.

d)
Novamente, a população negra possuía uma baixa escolarização devido à falta de apoio após a abolição. O autor cita a taxa de analfabetismo dos negros.

Orientações sobre como interpretar as respostas e reorientar o planejamento com base nos resultados
O objetivo da questão é explorar a inserção do negro na sociedade brasileira nos primeiros anos do período republicano. Caso os alunos apresentem dificuldades na questão, releia o texto em sala de aula, incentivando um debate sobre as críticas e os posicionamentos do autor em relação ao ideário republicano, à abolição, à escolarização da população negra, etc. Assim, espera-se que o aluno compreenda as perspectivas críticas do período sobre o regime. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário